Lei de Moisés versus graça de Cristo

A bíblia nos relata que existem dois pactos entre os homens e Deus, o pacto da lei e o pacto da graça; a primeira coisa que precisamos saber é o que cada um é e o que significam.

Vamos começar pelo pacto da lei:

A lei era constituída por 613 mandamentos dados aos filhos de Israel sob pena de maldição; também foram introduzidos os rituais da lei (os quais de alguma forma já existiam antes da lei), que eram obra exclusiva do sacerdócio Levítico para as suas festas e purificações do povo de Israel.

De sorte que, se a perfeição fosse pelo sacerdócio Levítico (porque sob ele o povo recebeu a lei)... 

Hebreus 7:11

Pois sempre que o povo transgredia os mandamentos, recorria ao sacerdote para ser purificado dos seus pecados pelos rituais; e foi assim, graças aos rituais, que o povo de Israel chegou até à vinda do Messias, porque pelas obras da lei não viveriam um só dia diante de Deus sem que fossem destruídos.

Por isso agora perguntamos: quantos foram justificados pela lei?

Nenhum, porque pela obediência às obras da lei ninguém pode ser justificado, porque a carne não se sujeita, nem pode, visto ser contrária à lei; e por isso todos sem excessão, ficaram debaixo de maldição.

Todos aqueles, pois, que são das obras da lei estão debaixo da maldição; porque está escrito: Maldito todo aquele que não permanecer em todas as coisas que estão escritas no livro da lei, para fazê-las. 

Gálatas 3:10

Então Deus manda praticar uma coisa quando não temos capacidade de praticar? Então, qual foi o propósito da lei? Exato, Deus não deu a lei para o homem praticar, mas sim para lhe mostrar que não a podia praticar por estar debaixo do pecado e, assim, visse que sem a graça de Deus estava perdido.

Por isso nenhuma carne será justificada diante dele pelas obras da lei, porque pela lei vem o conhecimento do pecado. 

Romanos 3:20

Pois ninguém busca cura se primeiro não souber que está doente, e foi esse o propósito da lei, mostrar que todos estamos mortos em pecados e delitos e, assim, desejar de todo o coração a graça de Deus, que foi prometida desde antes da fundação do mundo e relembrada por todos os profetas.

Então, e a lei durou até quando? Durou até João baptista, pois o fim da lei é Cristo.

A lei e os profetas duraram até João; desde então é anunciado o reino de Deus, e todo o homem emprega força para entrar nele. 

Lucas 16:16

E, por isso, a partir da hora em que Jesus começou o seu ministério, ele e os que com ele estavam deixaram de cumprir a lei de Moisés, e continuamente transgredia a lei violando o sábado o qual a lei punia com a morte, tocando nos mortos e nos leprosos quando a lei o proibia e expulsava tais pessoas, ensinando como um sacerdote quando pela lei isso era punido com a morte, visto que os sacerdotes eram da tribo de Levi e ele era da tribo de Judá; perdoava pecados quando pela lei isso só era possível pelo sacerdócio Levítico; "porque sem sangue não há perdão"; etc...

Pois, visto que ele estava debaixo da graça logo estava isento da lei, assim como nós os que cremos. Pois a lei não foi feita para os justos, mas para os pecadores, porque o justo, seja Cristo ou sejamos nós os que cremos, vivemos é por fé e não por obras.

Sabendo isto, que a lei não é feita para o justo, mas para os injustos e obstinados, para os ímpios e pecadores, para os profanos e irreligiosos, para os parricidas e matricidas, para os homicidas,...

 1 Timóteo 1:9

Alguém dirá: mas não está escrito que ele veio cumprir a lei? Sim, mas não a lei dos mandamentos, que é a justiça do homem; além disso, como já mostrei, essa ele a transgredia. Então qual foi a lei?

Ele não veio cumprir os mandamentos da lei, mas veio cumprir o que a lei e os profetas anunciaram desde o princípio, que é a lei espiritual, representada nos sacrifícios que purificava dos pecados, a lei da justiça de Deus; Cristo é a justiça de Deus e veio para dar a vida por nós, e é por isso que ele é chamado “o cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo”.

Então qual é a diferença entre a lei e a graça?

A lei representa a justiça do homem, a obediência do homem pelo cumprimento dos mandamentos, e por isso todos falharam e não houve um justo sequer; mas a graça é a justiça de Deus, são as obras de Deus realizadas em Cristo Jesus.

E seja achado nele, não tendo a minha justiça que vem da lei, mas a que vem pela fé em Cristo, a saber, a justiça que vem de Deus pela fé;... 

Filipenses 3:9

Justiça própria essa que Paulo agora a considerava como refugo para ganhar a Cristo, pois quem crê na justiça de Deus tem de morrer para a justiça da lei, ou seja, para a justiça própria.

Porque eu, pela lei, estou morto para a lei, para viver para Deus. Já estou crucificado com Cristo; e vivo, não mais eu, mas Cristo vive em mim; e a vida que agora vivo na carne, vivo-a pela fé do Filho de Deus, o qual me amou, e se entregou a si mesmo por mim. Não aniquilo a graça de Deus; porque, se a justiça provém da lei, segue-se que Cristo morreu em vão.

Gálatas 2:19-21

Mas quem guarda um só mandamento do velho pacto, seja o dízimo, o sábado, ou qualquer um dos mais pequenos mandamentos para ser salvo ou para permanecer salvo, então ainda não conhece nem tem a justiça de Deus, ou seja: Cristo. Está vivendo para si mesmo e inutiliza a graça de Deus.

Porque quando se muda de sacerdócio (sacrifícios, holocaustos, purificações, etc...) também se muda necessariamente de lei (mandamentos, obras).

De sorte que, se a perfeição fosse pelo sacerdócio Levítico (porque sob ele o povo recebeu a lei), que necessidade havia logo de que outro sacerdote se levantasse, segundo a ordem de Melquisedeque, e não fosse chamado segundo a ordem de Arão? Porque, mudando-se o sacerdócio, necessariamente se faz também mudança da lei. 

Hebreus 7:11-12

Porque enquanto a justiça do homem é uma conquista individual, a justiça de Deus é uma oferta gratuita para todo o que crê.

Então, quais são as obras que agora que tenho de fazer? Para ser e permanecer salvo nenhuma, porque em Cristo já não existe condenação sobre a má obra, por causa da fé; como já disse, salvo uma vez salvo para sempre.

Na verdade, na verdade vos digo que quem ouve a minha palavra, e crê naquele que me enviou, tem a vida eterna, e não entrará em condenação, mas passou da morte para a vida. 

João 5:24

As obras que agora realizamos, e estas são as obras de Deus e não as nossas, são para levar a vida aos outros, para a salvação deles e não para a nossa. Pois, enquanto na lei "amar a Deus e ao próximo" era segundo as obras descritas na lei, agora amamos a Deus e o nosso próximo com o coração segundo a fé na verdade, independentemente de quaisquer obras que façamos.

Portanto amar a Deus é crer de coração em tudo o que ele diz, e amar o próximo é fazer tudo e usar todos os meios para que o nosso próximo conheça a justiça de Deus. Isso e que é viver em amor e não  o dar esmolas e roupas aos nus.

Pois nós damos é o pão de Deus (palavra) e não os pães dos homens; damos a roupa de Deus (justiça de Cristo) aos nus e não a roupa dos homens; damos a liberdade aos presos do pecado pelo conhecimento da verdade e não a liberdade da prisão dos homens; etc...

Porque a lei dava mandamentos carnais com benefícios carnais para o homem carnal, e que nada lhes aproveitou, e por isso hoje já não existe templo, lei, sacerdócio, etc., antes tudo foi destruído.

Mas o reino de Deus é espírito e nós servimos a Deus é em espírito, com bens espirituais para o homem espiritual, que os homens comuns não podem fazer. Reino este que é inabalável e que permanece para sempre.

Eis aqui a diferença entre a lei e a graça de Deus!

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Pode usar estas etiquetas HTML e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>