Livre-arbítrio

Efésios 2:8-9 Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus; não vem das obras, para que ninguém se glorie;

Bastava este verso para aniquilar a mentira do livre arbítrio, pois um verso da bíblia é tão verdadeiro como toda a escritura. E aqui mostra claramente que tanto a fé, como a salvação é uma dádiva de Deus e não obra ou capacidade do homem. Mas, vamos desenvolver este tema.

Muitos desconhecendo a graça de Deus crêm ser salvos no primeiro dia pela fé, sem terem feito obra alguma mas, quanto ao resto da sua existência acham que a sua salvação depende da sua conduta, das suas obras, porque doutra forma perdem a salvação. Mas, como se perde aquilo que é eterno e que não se pode corromper? Outros dizem que a predestinação é que Deus que tudo sabe, viu o futuro, e conhece aqueles que haveriam de decidir por Ele, e esses são os eleitos.

Coisa impressionante. Deus, o todo poderoso, inspirou-se em mim, nas minhas decisões, para realizar o seu projecto? Mas uma vez que Ele baseou-se nas minhas acções, logo seria o meu projecto e não o dele!

Diz-me tu, ó homem, a tua vida é resultado das tuas escolhas? Se assim fosse não terias necessidades ou tribulações, pelo contrário, serias o homem mais rico e poderoso do mundo.

Mas cada vez que sofres e te queixas testemunhas que o livre arbítrio é a mentira do século, e que as escolhas não estão nas tuas mãos. Diz-me uma coisa: Se não há predestinação, como tens paz e segurança? Se tudo depende do teu comportamento, como sabes que chegarás ao fim? Pela tua fidelidade? És tu o teu firme fundamento? Podes tu confiar em ti?

Quantas decisões já tomaste e te arrependeste? Quantas coisas farias de forma diferente se pudesses voltar atrás? Porque se não há predestinação, então até a tua eternidade com Cristo, está em perigo? Porém, a verdade é que os homens fazem muitos planos, mas só a vontade de Deus é que pervalece.

Provérbios 19:21 Muitos propósitos há no coração do homem, porém só conselho do SENHOR permanecerá.

O Velho pacto só falou por figuras (Hebreus 10:1) e não a realidade, e quem se firma na letra tropeça sempre na graça, porque um pacto é rival do outro.

Pois a lei ordena as obras do homem, mas a graça mostra as obras de Deus, em Cristo Jesus; o primeiro ordena as obras e por elas o homem viveria, mas o segundo ordena a fé, e por ela vive o justo. E é no velho pacto, o pacto das figuras, que parece sugerir o livre arbítrio. Porém, não passa de uma ilusão lá no horizonte. Vê o que Deus disse a Moisés:

Deuteronómio 30:8,19 Converter-te-ás, pois, e darás ouvidos à voz do SENHOR; cumprirás todos os seus mandamentos que hoje te ordeno. Os céus e a terra tomo hoje por testemunhas contra vós, de que te tenho proposto a vida e a morte, a bênção e a maldição; escolhe pois a vida, para que vivas, tu e a tua descendência,

Deus não diz que tens poder para escolher a vida, mas que tens o dever de escolher a vida. Porém, repara que esta escolha depende do cumprimento de toda a lei, e isto continuamente. Ou seja: dos 613 mandamentos. E eu pergunto: quantos chegaram à vida? Eu digo-te: nem um só. Não houve um só justo, mas todos ficaram debaixo de maldição, como Paulo diz em Gálatas.

Gálatas 3:10 Todos aqueles, pois, que são das obras da lei estão debaixo da maldição; porque está escrito: Maldito todo aquele que não permanecer em todas as coisas que estão escritas no livro da lei, para fazê-las.

Se todos foram amaldiçoados, de que lhes adiantou o livre abítrio? Se existe é muito mau, pois só os conduziu à maldição e à morte. Repara que nem com as ameaças da lei, em que o juízo era exercido na hora, naqueles que transgrediam, essa liberdade imaginária subsistiu. Porém, a verdade é outra. É que foi o próprio Deus que impediu o homem de realizar aquilo que ele queria. Ele mesmo encerrou todos homens debaixo do pecado.

Gálatas 3:22 Mas a Escritura encerrou tudo debaixo do pecado, para que a promessa pela fé em Jesus Cristo fosse dada aos crentes.

Na verdade já nascemos e fomos gerados em pecado desde o ventre da nossa mãe. Em Adão, o pecado e a morte passou a todos os homens mas, em Cristo, a vida e a justiça passou a todo o que crê. Fui feito pecador sem pecar, pela transgressão de Adão, e fui feito santo, sem obedecer, pela obediência de Cristo, e isto é obra destes dois homens e não nossa. Porém, tudo é obra de Deus conforme o Seu projecto eterno. Pois Deus nunca falhou como muita gente anda por aí proclamando.

Como o homem poderia escolher alguma coisa se está morto e cego em relação às coisas de Deus e achando que o evangelho é loucura? Mas a verdade oculta desde sempre é esta: As escolhas dependem da natureza daquele que as faz. O carnal só pode escolher as coisas da carne; o espiritual só pode escolher as coisas do céu.

É como dizer que quando o carnívoro escolhe comer carne, é porque tem livre arbítrio; ou temos fome porque escolhemos? Mas, não é a fome que produz a vontade de comer? E então a boca decide? Vejam no amor. Tu amas aquela que escolheste, ou escolheste aquela que amas? Certamente primeiro amou e só depois veio a escolha.

E por isso Jesus dizia que a árvore má não pode dar bom fruto, assim como a árvore boa não pode dar mau fruto. Ou seja: A velha criatura não pode escolher Deus, assim como a nova não pode escolher o diabo. Na verdade quem opera todas as coisas em tudo e em todos é Deus, tanto o querer, como o fazer, e isto segundo a Sua vontade pré-determinada.

Muitos acham que quando fazem o bem são filhos de Deus, mas se pecam já não são. Mas, repara nos filhos deste mundo. Somos filhos do nosso pai porque decidimos ou nos portamos bem? Ou é porque somos carne da sua carne e sangue do seu sangue, quer façamos o bem ou o mal? Assim, também todo aquele que é filho de Deus não tem nada a ver com o que quis ou fez, mas foi por vontade exclusiva de Deus, e por isso é filho, porque é espírito do Seu Espírito, e vida de Sua vida.

Então qual foi o propósito da lei? Veio precisamente para mostrar ao homem que não é senhor nem da sua vida nem dos seus actos, mas que é escravo desde o ventre da mãe até à morte. Na verdade a lei não pode mudar o homem, mas só trouxe à luz a sua transgressão.

Romanos 3:20 Por isso nenhuma carne será justificada diante dele pelas obras da lei, porque pela lei vem o conhecimento do pecado.

O homem só procura médico quando souber que está doente, foi essa a função da lei, mostrou-nos o nosso estado miserável, e guiou-nos a Cristo, o qual sarou as nossas enfermidas. Ele que foi anunciado desde o princípio por todos os profetas. Também aqui, neste mundo, cada vez existem mais leis, e o homem mudou?

Pelo contrário, cada vez está pior, e a escritura diz que quanto mais se aproxima do fim, pior o homem será. Porque se mudasse pela lei, Cristo não teria vindo ao mundo. E é por isso que Paulo diz que a única maneira de viver para Deus é morrer para a lei, fugindo dela, porque ela é que fortalece o pecado, porque só não havendo lei é que não há pecado.

Gálatas 2:19Porque eu, pela lei, estou morto para a lei, para viver para Deus.

1ª Corintíos 15;56 Ora, o aguilhão da morte é o pecado, e a força do pecado é a lei.

Romanos 4:15Porque a lei opera a ira. Porque onde não há lei também não há transgressão.

Então porque ainda recorres ao dízimo, às obras, aos jejuns, aos sábados, etc?? Na verdade a lei foi feita para os pecadores e não para os justos.

1ª Timóteo 1:9?sabendo isto, que a lei não é feita para o justo, mas para os injustos e obstinados, para os ímpios e pecador ?

Mas se cremos que em Cristo fomos santificados, justificados, fugimos da lei senão, anulamos a graça de Cristo. Por isso Paulo diz que temos de morrer para a lei. Isto já para não dizer que a lei pertence só aos judeus, os circuncidados, e não aos gentios. E por isso Deus introduziu uma nova aliança onde não há gentio ou judeu, mas o que crê.

Não diz uma segunda aliança, nem mais uma aliança mas sim, uma nova aliança, logo o velho pacto é abolido, porque o reino de Deus não tem remendos como muitos fazem. Usam um pouco da lei, um pouco da graça; um pouco da obra, um pouco da fé; isso é cristianismo simulado, fingido.

Mas a nova aliança diz: Em Cristo tudo é novo, e o velho passou. Por isso é que o evangelho quer dizer boas novas. São coisas boas, mas que são novidades que não existitam no velho pacto, coisas que o ouvido nunca ouviu, que o olho não viu e que jamais o coração entendeu. Então, porque recorres às obras de Moisés, e das coisas que são conhecidas desde o princípio? E é este o propósito da graça, revelar a grandeza e a soberania de Deus, e por isso a aliança da graça diz:

Hebreus 8:8-12 Porque, repreendendo-os, lhes diz: Eis que virão dias, diz o Senhor, Em que com a casa de Israel e com a casa de Judá estabelecerei uma nova aliança, Não segundo a aliança que fiz com seus pais No dia em que os tomei pela mão, para os tirar da terra do Egito; Como não permaneceram naquela minha aliança, Eu para eles não atentei, diz o Senhor. Porque esta é a aliança que depois daqueles dias Farei com a casa de Israel, diz o Senhor; Porei as minhas leis no seu entendimento, E em seu coração as escreverei; E eu lhes serei por Deus, E eles me serão por povo; E não ensinará cada um a seu próximo, Nem cada um ao seu irmão, dizendo: Conhece o Senhor; Porque todos me conhecerão, Desde o menor deles até ao maior. Porque serei misericordioso para com suas iniquidades, E de seus pecados e de suas prevaricações não me lembrarei mais.

Vês? Nada tem haver com a aliança que deu àqueles que tirou do Egipto, mas esta baseia-se no perdão e no conhecimento.

E é este conhecimento que nos leva à salvação. Vê o que Cristo diz no que consiste a vida eterna:

João 17:3-4 E a vida eterna é esta: que te conheçam, a ti só, por único Deus verdadeiro, e a Jesus Cristo, a quem enviaste. Eu glorifiquei-te na terra, tendo consumado a obra que me deste a fazer.

Vês? É o conhecimento da verdade que te livra da condenação eterna e te santifica, e não as tuas obras. Este é o Deus que faz o que quer, salva e condena a quem quer, e que não está sujeito a coisa nenhuma, e muito menos ao homem inútil e vão. Ninguém pode ir a Jesus por seu livre arbítrio, nem fugir de Suas mãos, mas Ele mesmo dizia:

João 6:44 Ninguém pode vir a mim, se o Pai que me enviou o não trouxer; e eu o ressuscitarei no último dia.

Por isso Ele dizia: escondeste estas coisas aos grandes e as revelaste aos pequenos. Sim, ó Pai, porque assim foi a tua vontade.

Nunca ninguém teve essa coisa do livre arbítrio, nem sequer Adão, como muitos afirmam que teve. Ele foi criado vazio de entendimento e de vida, embora, por figura, fosse a imagem de Deus.

Pois, o entendimento estava na árvore do conhecimento do bem e do mal, e a vida na árvore da vida. E só quando ele comeu do fruto da árvore do conhecimento, é que os seus olhos se abriam para conhecer o seu estado. E quando Deus lhe apareceu, fugiu com medo e quando falou com Deus disse-lhe que tinha fugido porque teve medo e estava nú. Repara no que Deus lhe disse:

Génesis 3:11E Deus disse: Quem te mostrou que estavas nu? Comeste tu da árvore de que te ordenei que não comesses?

Vês como ele não tinha entendimento? Só a árvore lhe poderia mostrar o seu estado, assim foi a lei. Vê outra prova:

Génesis 3:22Então disse o SENHOR Deus: Eis que o homem é como um de nós, conhecendo o bem e o mal; ora, para que não estenda a sua mão, e tome também da árvore da vida, e coma e viva eternamente,

Deus é um Deus de eleição desde o princípio, ainda que isto te possa escandalizar. Lembra-te entre tantas descendências ele só escolheu a semente de Abraão. Lembra-te que embora este tivesses dois filhos, Isaac e Ismael, ele só escolheu a Isaac e lançou fora a Ismael.

Gálatas 4:28-31 Mas nós, irmãos, somos filhos da promessa como Isaque. Mas que diz a Escritura? Lança fora a escrava e seu filho, porque de modo algum o filho da escrava herdará com o filho da livre. De maneira que, irmãos, somos filhos, não da escrava, mas da livre.

Com Jacó e Esaú aconteceu a mesma coisa.

Romanos 9:11-16Porque, não tendo eles ainda nascido, nem tendo feito bem ou mal (para que o propósito de Deus, segundo a eleição, ficasse firme, não por causa das obras, mas por aquele que chama), foi-lhe dito a ela: O maior servirá o menor. Como está escrito: Amei a Jacó, e odiei a Esaú. Que diremos pois? que há injustiça da parte de Deus? De maneira nenhuma. Pois diz a Moisés: Compadecer-me-ei de quem me compadecer, e terei misericórdia de quem eu tiver misericórdia. Assim, pois, isto não depende do que quer, nem do que faz, mas de Deus, que se compadece.

Repara que não foi porque Deus viu, no futuro, as suas obras, mas diz que a Sua decisão baseou-se no Seu propósito, segundo a eleição da graça, e acrescenta que a salvação não depende do que a pessoa quer nem do que faz. Mais claro que isto é impossivel. Não sómente eles, mas o próprio povo de Israel é um caso de eleição, pois diz:

Deuteronómio 14:2 Porque és povo santo ao SENHOR teu Deus; e o SENHOR te escolheu, de todos os povos que há sobre a face da terra, para lhe seres o seu próprio povo.

O homem é tão impotente que nem sequer tem capacidade de reconhecer os seus erros, e ainda menos de se arrepender dos seus actos, só Deus lhe pode dar o arrependimento que conduzirá à salvação.

Actos 5:31 Deus com a sua destra o elevou a Príncipe e Salvador, para dar a Israel o arrependimento e a remissão dos pecados.

Actos 11:18 E, ouvindo estas coisas, apaziguaram-se, e glorificaram a Deus, dizendo: Na verdade até aos gentios Deus concedeu o arrependimento para a vida.

2ª Timoteo 2:25 Instruindo com mansidão os que resistem, a ver se porventura Deus lhes concederá arrependimento para conhecerem a verdade,

E se o homem não tem a capacidade de se arrepender, como teria livre arbítrio? O homem é tão soberbo que não quer que ninguém se meta na sua vida, nem sequer Deus, mas que até Ele respeite e se sujeite á sua decisão. Então tu tens livre arbítrio, mas Deus já não pode ter?

Isso é uma tolice de todo o tamanho. É este o mistério que nunca foi revelado, e que nem aos profetas foi concedido que entendessem, mas que agora foi revelado pela aparição de Jesus, o qual começou a ser anunciado pelos apóstolos e, neste tempo presente, revelado à igreja dos eleitos. Ao ímpio, porém, nunca será revelado.

Quem defende o livre arbítrio blasfema de Deus, despreza a sua graça, e quem nele permanece é escravo do pecado e do engano. Em sua astúcia condenam com todas as forças a doutrina da eleição, mas quando dizemos: então foi por tua decisão que te fizeste pastor, logo és um falso profeta? Aí eles já dizem que foi Deus que os elegeu e chamou para o ministério. Porém, o seu engano está visível.

Apresentam um deus remendado, um pouco do seu Deus, um pouco deles. Um Deus débil e patético que precisa autorização do homem para o abençoar. Se ele não permitir, então Deus nada pode fazer.

É o seu servo pessoal, que se sujeita às suas determinações e exigências, determinando os dias e as obras que ele há-de fazer, dizendo: na segunda Deus cura, na terça Deus livra, etc? É isto Deus? Coitado, ele é que precisa de ser abençoado, pois tem mais problemas do que aqueles que o invocam.

Mas agora responde-me, ó homem. Quem escolheu a tua aparência? A cor dos teus olhos? Quem deu o cheiro ao nariz? Ou a audição aos ouvidos? Ou quem colocou o entendimento no coração? Foi a tua decisão? Se tu não podes mudar as coisas mínimas, como poderás persuadir Deus a fazer o que tu decides?

Tudo o que não provém da fé é pecado e, se o ímpio tem livre arbítrio logo é pecado e não provém do Espírito. Tais pessoas filtram o mosquito, valorizando as obras do homem, ao que Deus chama de trapos de imundícia, e engolem o camelo, desprezando as obras de Deus, dizendo que precisam de mais isto e aquilo, anulando assim a oferta de Deus.

Mas, nem com toda a sua preocupação ou esforço, o homem poderá acrescentar seja o que for à sua inútil vida.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Pode usar estas etiquetas HTML e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>